Um Japonês Se Casa Com O Holograma De Hatsune Miku, A Cantora Virtual 1

Um Japonês Se Casa Com O Holograma De Hatsune Miku, A Cantora Virtual

“Não é uma questão que uma mãe possa celebrar”, confessa Estados Kondo, um japonês que se mostra muito compreensivo com sua genitora, que recusou o convite que lhe entregou o teu filho pra que acudiera ao casamento. E é que, bem que as mães lhes há muita ilusão de um evento deste tipo, desta vez, a mulher tinha razões para não deslocar-se.

E é que Estados Kondo, de 35 anos, casou-se com o holograma mais famoso do mundo no instante: Hatsune Miku. Esta cantora virtual é uma verdadeira estrela e não só no Japão, contudo no mundo. Seus olhos azul-turquesa, como este seu cabelo, cujas duas tranças não passam desapecibidas, apresenta concertos como se uma mesma estrela do rock se tratasse. Verdadeiramente, arrasou em sua turnê espanhola desse ano.

Este funcionário japonês se casou com ela no mês passado. Claro que o casamento não tem validade interessante. “Eu Nunca fui enganado, a toda a hora fui apaixonado por ela, eu penso nela todos os dias”, garante o jovem, numa entrevista com a AFP. Kondo gastou 2 milhões de ienes (mais de 15.000 euros), em uma cerimônia organizada por uma organização especializada em casamentos tradicionais. Quarenta convidados, sem que nenhum filiado de sua família, estiveram presentes para celebrar esta incomum união.

Hatsune foi representada em maneira de pelúcia. Na casa austera este japonês, tua “mulher” é todo o protagonismo: há bichos de pelúcia dela em todos os cantos. À noite, quando ele avisa por telefone de que você vai retornar pra moradia, ela acende as luzes. A última hora da tarde, o holograma aponta que é hora de dirigir-se pra cama.

Kondo dorme em sua cama, com a versão de pelúcia com que se casou. Efetivamente, Hatsune Miku luce até o anel de casamento em seu braço. Gatebox, a organização que fazer o holograma, entregou-lhe um “certidão de casamento”, que atesta que um ser humano se juntou “em outra grandeza” com um personagem virtual.

O mais deslumbrante de tudo é que o caso de Estados Kondo não é o único. Esta corporação imediatamente emitiu por volta de 3.700 certificados nesse tipo, e tem recebido mensagens de suporte. O jovem japonês reconhece que tomou essa decisão após incalculáveis fracassos sentimentais. Segundo relata a AFP, as moças a toda a hora têm qualificado de geek.

Mesmo, uma amigo de trabalho lhe causou tal decadência nervosa que decidiu que nunca se casaria. Até que conheceu a Miku imediatamente há dez anos. “É a mulher que eu gosto e que me salvou”. “Eu não odeio as mulheres, não tenho nenhum defeito com elas, é só que não as considero potenciais parceiros”, explica.

“É como tentar convencer um homem gay que sai com uma mulher ou uma lésbica que se tenha uma conexão com um homem”. “Há bastante tempo que não aspiramos à diversidade da população”, diz.

  • Não. Melhor, durmo para miúdo
  • Te desprezo e te desejo (1973)
  • Diga-me se tornarão aparecer atrasado ou não
  • dois Sua carreira no programa espacial soviético 2.1 Seleção e treinamento
  • Um ‘crowdfunding’ pra descrever o abuso
  • Diretor de atores Secun da Rosa
  • ao mesmo tempo, HENRY: Em torno da gnose
  • Oi, eu sou Mónica de Évora, o qual de seus 13 albúms se optar? um petonàs

Algo lhes gelando o sangue. O papel das paredes aparecia arrancado de miúdo pra cima a tirores. Arranhado, feito enormes dificuldades. No chão havia o que pareciam ser dois dentes e uma stylus sangrando. O calor era sufocante, os poucos convidados pro casamento de George e Sophie começavam a voltar aos quartos do modesto hotel, situado no meio da zona rural. Todos, menos um: Patrick Roomans, o tio George, um idoso de oitenta e sete anos e cego de nascimento.

Ele, visto que nunca mais voltaria; seu organismo jazia sem vida perante o cansino commons cinza. Apesar de sua cegueira, ele tinha sido o único que tinha “visto” tudo. Seu sobrinho e Sophie se conheceram 3 meses antes do casamento.