O Que Você Pode Fazer A Inteligência Artificial, O Futuro Da Educação 1

O Que Você Pode Fazer A Inteligência Artificial, O Futuro Da Educação

Ensino online. Robótica educacional. Tutoria inteligente. Aprendizagem adaptativo. Ensino com máquinas de ultra-inteligentes. A revolução da Inteligência Artificial chegou bem como ao sistema educativo, e as salas de aula do futuro se ajustar às algumas tecnologias que beneficiam o aprendizado personalizado.

É um estímulo pros professores, que você vai olhar como a adaptação necessita modificar os seus processos e funções e reformularlos pra realmente aprimorar a maneira convencional de ensinar e aprender. No ato, moderado por um jornalista de Vanguarda, também estará presente, Luís Miguel Oliveira, da Fundação Telefônica, que vai participar de um colóquio com o conferencista.

Acorn criou RISC OS pela década de 80 para seus pcs baseadas na arquitetura de processadores ARM. A GUI de RISC OS seguiu se desenvolvendo por intermédio da versão de 1987 até o dia de hoje, onde as versões 5 e 6 têm uma grande jeito pra personalizar a interface.

  • Então, o que eu tenho cortado. O Robin, onde essas
  • 7 2009: Absolutamente
  • 2 GB de memória RAM mínimo
  • três Batalha de Jutlândia
  • Chung Yung
  • Maumau50 (conversa) 10:59 11 ago 2018 (UTC)
  • Desconectar os cabos de Internet (continuar inteiramente desconectdos do universo)

Originalmente um desenvolvimento conjunto da Microsoft e IBM pra substituir o dos, OS/2 versão 1.0 (1987) não tinha nenhuma GUI. GUI com uma abordagem bastante radical da direção a objeto. A interface de usuário do NeXTSTEP foi utilizada pela linha de computadores NeXT.

A primeira versão maior, foi lançada em 1989, utilizando o Display PostScript pra representação gráfica. A característica mais significativa do NeXTStep é o Dock, conduzido com outras modificações pra Mac OS X, e outros fatos pequenos da interface que alguns usuários encontraram menos difíceis de utilizar e intuitivos que as GUIs anteriores. BeOS foi pensado em pcs personalizados baseados em processadores Hobbit de a AT&T, antes de variar a hardware PowerPC, por um grupo liderado pelo ex-executivo da Apple, Jean-Loius Gassée como uma possibilidade pro Mac OS.

BeOS foi mais tarde portado pra hardware Intel. Usa um kernel orientado a instrumentos, escrito por Be e não usa o X Window System, entretanto com uma INTERFACE contrário, escrito por meio do zero. Se fez muito vigor por porção dos desenvolvedores para fazer uma plataforma para aplicações multimédia.

Be Inc. foi adquirida na PalmSource, Inc. 2001. A GUI BeOS ainda vive em Haiku, uma re-implementação em software de código aberto Linux. Em 2009, uma nova tendência em tecnologia de área de serviço é a inclusão de efeitos 3D pros gestores de janelas. Esta é obtida através da busca experimental em design de interface de usuário tentando ampliar o poder expressivo dos toolkits existentes para melhorar as indicações físicas que permitem a manipulação direta. Isso pode ter a vantagem de mover alguma quota da representação da janela pra GPU da placa de video, caso a possua, reduzindo desse jeito a carga da CPU principal.

Exemplos de software com uma interface de usuário 3D adicionam XGL e Compiz Novell e AIGLX incluído no Red Hat Fedora. Os dispositivos portáteis, por exemplo leitores de MP3 e telefones smartphones têm sido uma área florescente de prosperidade das GUIs nos últimos anos.

A começar por meados dos anos 2000, uma enorme maioria dos dispositivos portáteis têm avançado pela resolução de tela e tamanho, sendo a tela de 640×960 do iPhone um excelente modelo. Em consequência a isso, esses dispositivos têm suas próprias interfaces de usuário famosas e sistemas operacionais que têm grandes comunidades homebrew dedicadas a formar os seus próprios elementos visuais, como ícones, menus, fundos de tela e mais coisas. As interfaces Pós-WIMP são usados comumente nesses dispositivos móveis, onde os dispositivos pons usuais exigidos para a metáfora do desktop não são práticos.

↑ Clive Akass. “The men who really invented the GUI”. ↑ Mike Tuck. “The Real History of the GUI”. ↑ Jef Raskin. “Holes in Histories”. Jeremy Reimer. “A History of the GUI” Ars Technica. Nathan Lineback. “The Graphical User Interface Gallery”.