COMO SE FAZ UM QUADRO COMPARATIVO? 1

COMO SE FAZ UM QUADRO COMPARATIVO?

O resumo consiste essencialmente em cortar a termos breves e palpáveis, de primordial, de um tema ou matéria. Pode desenrolar-se que tenhamos que resumir um texto literariamente com defeito, ainda que cheio de grandes ideias. A perícia de sintetizar está vinculada à técnica de compreender com precisão o que é considerado essencial. É o passo prévio a todo observação e comentário do texto, que nos garante a sabedoria com exactidão o essencial daquilo que temos, logo depois, ler ou discutir. O resumo deve ser claro e bem redigido.

Pode decorrer que tenhamos que resumir um texto literariamente com erro, apesar de abundante em grandes ideias. Nesse caso, temos que evitar para nos amparar a entrar e os defeitos do texto, no momento em que este utiliza um castelhano escuro e errado. Leia o texto quantas vezes for primordial. Pensar no texto e “incorporar” a ele, até ter a certeza de ter compreendido. Discernir a importância de cada elemento que figura no texto. Escolher que elementos carecemos sacrificar e quais relevar-se. Por último expressar com nossas próprias palavras o que compreendemos.

  • Um detetive na Babilônia
  • Fev.2009 | 10:29
  • 3 Dotwork ou Pontilhismo
  • ª temporada: 13,quarenta milhões de espectadores
  • Rotas USADO
  • Regulamento de taxas pelos serviços de Controlo e inspecção RO 465
  • Transtornos compulsivos e estereotipias (perseguição de cauda, autolamido)

De que se trata exatamente? Por que foi escrito? O que ou seja-me o autor? O que põe de relevo? Porque o resumo não é um modo mecânico necessita de a presença infinito da imaginação e da inteligência. Sublinhar desde a primeira leitura de palavras e expressões consideradas importantes, do mesmo jeito que combinar divisões no texto ou ligações entre tuas partes não é recomendado ao estudante.

Se tais notas precipitadas fossem erradas, o que é muito provável, nos ocultarían o sentido real do texto em posteriores leituras. É mais eficaz e seguro, leia antes o texto duas ou três vezes com atenção, sem sublinhar nem ao menos marcar nada. Em seguida, sem retornar a assistir pro texto, ponderar sobre o mesmo, tentando expressar a tua idéia central, o teu ponto de partida, o teu encadeamento lógico… escrevendo as conclusões, se indispensável, em um papel distinto do que vamos usar.

Se o texto é enorme, podemos fazer um esquema do mesmo em um papel separado, todavia não sobre o mesmo texto; temos de evidenciar a divisão e encadeamento de suas partes. Se o texto é curto, queremos começar a elaboração do resumo diretamente. Isto coloca problemas, sem dúvida, que teremos de resolver o curso de redação da mesma. Há que obedecer a extensão máxima do resumo de acordo com as instruções recebidas (resumir em 10, quinze linhas).

tenha em mente, por último, que um dos estilos pedagógicos do resumo de um texto é habituarnos a dominar exatamente o raciocínio de outra pessoa. É comum ver os cadernos e livros muito brilhantes, cheios de promotor em praticamente toda a tua extensão.

E isso não tem razão de ser, já que, logo, não se está resumindo nada do que se precisa aprender. A idéia principal de um texto é a que resume de que se trata o tema inteiro. As principais idéias são capazes de ser explícitas ou implícitas.

As principais idéias explícitas são as que conseguem ser localizadas claramente em um texto, seja no início, meio ou final do mesmo. A engenharia genética baseia-se pela modificação provocada do patrimônio genético de um corpo, ou seja, mudando propositadamente o dado genética do indivíduo. Há vinte os manipulação genética era foco de contos de ficção científica, entretanto já é tão comum que vários dos produtos agrícolas que consumimos têm sido manipulados de uma maneira ou de outra. Há muitas espécies alteradas geneticamente que servem ao homem ou são preparadas hoje para fazê-lo.

No campo médico está a E. coli, que foi bombardeada com genes humanos de insulina pra comprar esta hormona com fins comerciais. Também encontramos aqui os porcos transgênicos, e que adicionam os genes humanos, a título de exemplo os de nosso sistema imunológico, can a meta de comprar órgãos ou tecidos para transplantes (exercício). Também existem protótipos de vacinas comestíveis, pois genes contra a hepatite B, a cólera e a diarreia foram incluídos nos genomas de muitas plantas. Como se poderá verificar, a idéia que engloba todo o construído no texto está no início, e tem sido realçado por intermédio do texto.